segunda-feira, 26 de junho de 2017

Entrevista - Serpent Throne (Chile)

Blasfêmia, escuridão e morte não param de vir das terras chilenas, mais um infernal representante deste grande país, confira a entrevista que fizemos com a banda Serpent Throne.




Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Serpent Throne e quais são os planos para o futuro?

Avernus: Hails !!! Agora estamos trabalhando em um novo álbum, com um novo guitarrista (Elio Inostroza Dimter), depois de V. Wraith ter deixado a banda. As novas músicas (cinco agora) têm alguns toques diferentes do que o "Demo I" e "Desecration Infernal". Eu acho que é um pouco mais brutal do que as outras obras, mas ainda parece Serpent Throne, definitivamente. É um trabalho muito interessante, o melhor desde que começamos em 2010, e tenho certeza de que o resultado desse vômito será incrível.


Quais são suas principais influências musicais?

Avernus: Bem, nós gostamos de ouvir muitas coisas ... Por exemplo, eu (Avernus) sou um fã de heavy / speed metal desde que eu tinha doze anos de idade e também estou muito influenciado pelo death, thrash, doom e black Metal dos anos 80 e 90. O resto da banda gosta desse tipo de coisas também; Mas, obviamente, temos gostos diferentes. Respeitamos as escolhas de todos, e quando tocamos e trabalhamos juntos, você pode senti-las, somos ótimos amigos, afinal.




Como tem sido a recepção de "Infernal Desecration" mundo afora?

Avernus: Melhor do que eu imaginava! Hahaha, nosso selo se preocupou com a distribuição internacional e respondemos todas as entrevistas de outros países ... Nós realmente respeitamos o que as pessoas de fanzines sérios fazem, porque você pode mostrar a outros metalheads o que está acontecendo conosco e eles têm a possibilidade de conhecer algumas coisas sobre nós, nosso trabalho, shows e outras coisas. É ótimo ver pessoas do outro lado do mundo pedindo material ou informações sobre o nosso projeto.


Como tem sido a parceria com o selo "Australis Records"?

Avernus: Ótima, Rodrigo Osorio é o responsável pelo selo, e ele tem sido muito diligente conosco, ele cuidou de toda a produção e distribuição do nosso último álbum, e nós realmente apreciamos isso. Estamos agora conversando sobre a nossa nova produção, mas é ainda muito cedo para dizer ... Esperamos terminar algumas músicas antes de falar sobre isso.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Avernus: Ufff, como eu disse, gosto muito do metal dos anos 80 e 90, eu realmente gosto de bandas como Krokus, The Rods, Judas Priest, Mercyful Fate, Running Wild, Bulldozer, Venom e esse tipo de coisa da primeira era do heavy metal, mas também gosto de bandas mais extremas como Morbid Angel (antigo), Morgoth (antigo), Von, Mortuary Drape, Celtic Frost, Mayhem, Dissection e bandas clássicas como essas. Como já disse antes, todos nesta banda têm suas próprias influências, e respeitamos isso.


Quais são as inspirações para as composições das letras da banda?

Avernus: Somos uma banda anti-cristã, dedicamos nossas letras para a morte e as forças da escuridão, cada palavra de nossa letra é considerada por nós como um ato de guerra contra a religião, a política, a acusação coletiva e a prostituição da fé.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Avernus: Foi uma verdadeira honra, esperamos que as pessoas por aí continuem apoiando o movimento underground e curtindo nossas coisas.

See You in Hell!!











sexta-feira, 23 de junho de 2017

Entrevista - Battlestorm (Singapura)

Singapura, terra dos lendários Impiety e Abhorer, segue criando máquinas de destruição bélicas em forma de death/black metal, um grande representante dessa cena gloriosa, marca presença hoje aqui no blog, confira a entrevista que fizemos com a banda Battlestorm.



Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Battlestorm e quais são os planos para o futuro?

Hades: Eu tenho composto algumas músicas para o BATTLESTORM e para a minha banda de black metal NOCTURNIZED. Entrarei em estúdio em breve!


Quais são suas principais influências musicais?

Hades: Sarcofago, Bathory, Impiety, Marduk, Angelcorpse, Archgoat, Sepultura(old), Absu, entre muitas outras!




Como tem sido a recepção de "From Hell" mundo afora?

Hades: Eu realmente não tenho certeza em relação a como o ep foi distribuído e recebido pelas massas. Isso é todo o trabalho das gravadoras. Mas, até agora, recebi excelentes opiniões daqueles que fisicamente possuem o ep e contactaram-me.


Como tem sido a parceria com o selo "Warhemic Productions"?

Hades: Bem, tudo foi excelente. O selo coloca um lançamento profissional para a banda. Não tenho queixas. O proprietário da gravadora o Xakal tem sido muito legal para nós. Eu só espero que o ep se espalhe para as pessoas certas.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Hades: Muitas! Infernal Execrator, Fetid Zombie, Et Verbi Sathanus, Recrucify, Master Of Cruelty, Perdition Temple, Kerasphorous, Voidnaga, E hoje em dia, estou aprendendo a ouvir um pouco de Crust/punk, e explorar ainda mais as influências musicais. Realmente tenho gostado da sonoridade D-beat atualmente.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Hades: Eu escrevo principalmente sobre os eventos reais que aconteceram na história e na era atual, ou quaisquer pensamentos obscuros dentro de mim que eu preciso expressar no momento. Nada me inspira mais do que o verdadeiro mal humano em todo o mundo. Sempre que escrevo sobre Satanás, é tudo em metáforas. Eu não me considero mais um satanista.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Hades: Os maníacos que querem pegar uma cópia do 'From Hell' Ep, do BATTLESTORM, entre em contato com  a Warhemic Prods! E aguarde o "Day of Wrath", quando lançarmos nosso próximo 2º álbum, o que provavelmente seria lançado em 2017! Ouça BATTLESTORM! KILL!











quinta-feira, 22 de junho de 2017

Entrevista - Corpse Garden (Costa Rica)

Banda com excelente técnica e brutalidade musical, confira a entrevista que fizemos com essa grande banda da Costa Rica chamada Corpse Garden.



Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda Corpse Garden e quais são os planos para o futuro?

Erik Mejia: A Honra é o nossa, obrigado por apoiar o Corpse Garden.
Bem, 2016, em janeiro fizemos uma turnê no México, apoiando o Cattle Decapitaton, uma data ou duas aqui na Costa Rica, mas basicamente este ano foi usado para terminar a composição do novo álbum, que está totalmente pronto. Os próximos planos futuros são gravações e lançar o álbum, depois retornar à Europa e ao México, espero ir a América do Sul e os EUA.


Quais são suas principais influências musicais?

Erik Mejia: Como uma banda, temos muita influência de bandas como Neurosis, Morbid Angel, Swans, Gorguts, Velvet Underground, Magma, Can, King Crimson para mencionar algumas. Muita coisa de Doom e da cena Prog / Krautrock dos anos 70.





Como tem sido a recepção de "Entheogen" mundo afora?

Erik Mejia: Entheogen foi matador, quase tudo está esgotado agora. Foi o nosso primeiro álbum com o apoio de gravadoras e com uma versão em formato de fita cassette.


Como tem sido a parceria com o selo "Satanath Records"?

Erik Mejia: Um excelente relacionamento, com a  Satanath, já que procuramos o selo, recebemos um enorme apoio também na cena do metal na Costa Rica, eles ajudaram muito.
Para este álbum, Satanath / RTM Productions lançaram o formato CD e Third Eye Temple / Godz ov War. Suporte total.



Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Erik Mejia: Hoje em dia, tento focar completamente na minha coleção de discos, tentando evitar essa sobrecarga de informações diárias que me deixa realmente doente. Então, tudo vem de lá ultimamente, tenho ouvido muito Pentagram, Witchfinder General, Candlemass, Paul Chain, Pescado Rabioso, juntamente com uma grande quantidade de coisas da cena grega como Burial Hordes, Ravencult, Thou Art Lord. Mas eu realmente gosto de música, não importa o gênero, de Nina Simone à Blasphemy com a mesma intensidade do tempo que faz um efeito sobre mim.


Quais as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Erik Mejia: Alquimia, Existencialismo, Ocultismo, Espiritualidade, Cosmos.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Erik Mejia: Continue apoiando as bandas, não compre digital e fique fiel ao culto do self.


Facebook.com/corpsegardencr











terça-feira, 13 de junho de 2017

Entrevista - Sturmtiger (Dinamarca)

Desdes os tempos de "Campo de Extermínio" do Holocausto, muitas bandas tem abordado sobre guerras em suas letras, algumas são acima da média tanto musicalmente como liricamente, uma delas é a banda Sturmtiger, confira a entrevista que fizemos com a banda.



Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Sturmtiger e quais são os planos para o futuro?

PB: Atualmente estamos trabalhando no nosso segundo álbum completo. É uma evolução adicional do nosso som, então espere algumas surpresas entre os bombardeios usuais. Há também um split que estamos fazendo que será lançado por um selo dos EUA.

Quais são suas principais influências musicais?

PB: Vocalmente, obviamente é o Bolt Thrower, mas, em termos de música, são os suspeitos habituais, como a Revenge, o Blasphemy, o Axis of Advance, o Sarcófago, etc. Também há muitos elementos do Thrash dos alemães, como Sodom e Protector.




Como tem sido a recepção de "World at War 1914-1918" mundo afora? Como tem sido a parceria com o selo "Black Plague Records"?

PB: Por algum motivo estranho, somos muito mais conhecidos no exterior do que no Reino Unido. O selo vendeu todas as cópias desse álbum, assim como nós. Você ainda pode obtê-lo em algumas pequenas distribuidoras.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

VJ: Das bandas de metal, principalmente, o Thrash da velha escola, mas agora de alguns dias pra cá, eu tenho escutado um pouco de jazz. As técnicas de guitarra que os músicos têm são fantásticas.


Quais as principais inspirações para as composições das letras da banda?

VJ: Guerras, do passado e do presente.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

VJ: honserov@yahoo.dk










Entrevista - Fetus Stench (Suécia)

A Suécia sempre marcou presença na história do Death Metal, e sempre tem lugar garantido aqui no blog, confira a entrevista com essa grande banda sueca chamada Fetus Stench.


Saudações Andreas, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda Fetus Stench e quais são os planos para o futuro?

Andreas: Sem problemas! Os três do Fetus Stench estiveram muito ocupados com nossas principais bandas, como elas vieram a ser, nos últimos 2-3 anos. Mas estamos levando algum tempo de vez em quando para trabalhar no Fetus Stench.


Quais são suas principais influências musicais?


Andreas: Todas as coisas que são rápidas e brutais, essencialmente. Pegamos as melhores partes do Death Metal, Grindcore, um pouco do Black metal e até Thrash, em seguida, moldá-las em algo próprio nosso.




Como tem sido a recepção de "Stillbirth" mundo afora?

Andreas: Realmente boa, eu diria! Eu não vi mais do que uma ou talvez duas opiniões onde a pontuação estava abaixo da média, então estamos felizes com isso, mas claro que não estamos satisfeitos. O próximo álbum será de primeira qualidade.


Como tem sido a parceria com o selo "Abyss Records"?

Andreas: Abyss Records é comandada por um cara realmente dedicado chamado Dan Fergusson. Ele não tem sido nada além de excelente desde que entramos em contato com ele, e ele tem muitas outras bandas legais no selo, bem como eu recomendo que você confira. Apoie a essa cena maldita!


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Andreas: Estive revendo muitos dos antigos álbuns do Metallica ultimamente. Eu realmente não encontrei nenhuma nova banda que valesse a pena mencionar. Mas sempre estou atento a algo novo e brutal, que hoje em dia tende a ser cada vez mais importante para mim.


Quais as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Andreas: Costumava ser o mesmo tipo de letras sobre morte e gore, que eu pessoalmente estou realmente com bastante de saco cheio. Você definitivamente verá uma progressão liricamente no futuro do Fetus Stench, com mais substância por trás das palavras nas músicas.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Andreas: A qualquer hora, cara!

Para aqueles de vocês que nos seguem e aguardaram pacientemente esses últimos anos, mantenha seus ouvidos / olhos e cú abertos, você ouvirá de nós muito em breve novidades.

Abraço!










Entrevista - Officium Triste (Holanda)

Altamente indicado para amantes daquela época mágica do começo dos anos 90, bandas de doom metal como Paradise Lost, Anathema e My Dying Bride são referências fortes na sonoridade dessa clássica banda Holandesa chamada Officium Triste, confira a entrevista abaixo.



Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Officium Triste e quais são os planos para o futuro?

Officium Triste: Em 2016 conseguimos um novo baixista, Theo Plaisier. Nós o trabalhamos muito rápido porque tivemos alguns shows planejados no início deste ano. Ao lado disso, trabalhamos em material para o nosso próximo álbum. No momento em que escrevo, temos 3 novas músicas prontas. Vamos gravar uma demo de pré-produção em breve, o que é principalmente para ver onde vamos gravar a bateria para o nosso próximo álbum. Vamos gravar todos os outros instrumentos no estúdio do Martin, nosso tecladista. Esperamos ter um novo álbum pronto agora em 2017 e esse será lançado pela Transcending Obscurity da Índia. Estamos realmente ansiosos para trabalhar com um selo da Índia. Só mostra que o metal se tornou uma coisa ainda mais global oposta a 30 anos atrás.
Há alguns outros lançamentos em andamento, como um split de 10 "com Lapsus Dei do Chile e uma reedição de nossa demo lançada em 1994.


Quais são suas principais influências musicais?

Officium Triste: Eu acho que podemos facilmente dizer que nossas influências são praticamente as mesmas que quando começamos em 1994. Então, bandas como Paradise Lost, Anathema, My Dying Bride, Celestial Season, Type O Negative, Edge of Sanity, Dismember e Winter Seriam nossas principais influências. Mais tarde, uma banda como o Shape Of Despair nos inspirou também e as trilhas sonoras de filmes também são uma influência importante para nós.





Como tem sido a recepção de "Mors Viri" mundo afora?

Officium Triste: Eu acho que podemos facilmente dizer que foi recebido muito bem. Os comentários foram realmente bons e também os fãs parecem apreciar muito esse álbum. Não temos nada para reclamar realmente e ainda estamos muito orgulhosos de "Mors Viri".

Como foi a parceria com o selo "Hammerheart Records"?

Officium Triste: Tivemos um acordo de licenciamento com a Hammerheart, o que significa que nós lhes fornecemos um álbum completo (gravações e obras de arte). Hammerheart basicamente se certificou de que o álbum foi lançado, distribuído e promovido. Devido a algumas mudanças internas em seu escritório no momento em que nosso álbum foi lançado, acho que Hammerheart poderia ter feito um trabalho melhor. Eles realmente nos disseram que esse era o caso. Então, decidimos trabalhar com eles apenas para um álbum. Nosso próximo álbum será lançado pela Transcending Obscurity, como mencionei na minha primeira resposta.


Quais bandas vocês tem ouvido atualmente?

Officium Triste: Cara, essa é uma pergunta tão difícil de responder, porque todos amamos tanto a música e temos alguns colecionadores reais na banda. Ouvimos uma grande variedade de músicas antigas e novas. Das bandas clássicas como Judas Priest, UFO, Mercyful Fate, Iron Maiden ou MSG para coisas novas como Dead Lord, Worshipper ou Krypts.
Eu pessoalmente ouço muito Death Metal e Doom/Death. Eu acho que o novo do Eye of Solitude é ótimo e eu amo uma banda como o Sadistic Intent. Mas também uma banda mais macia como Hammock que é algo que eu escuto regularmente.

Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Officium Triste: Inspiração de letras vem de todo o lugar. Coisas que aconteceram na minha vida pessoal, mas também coisas que eu li ou vi na TV. Pode ser qualquer coisa realmente. Eu sempre tento escrever uma letra que se encaixa no sentimento geral que recebo quando ouço a música que escrevemos.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Officium Triste: Obrigado por fazer estas perguntas. Fico muito grato. É bom saber que pessoas de todo o mundo escutam nossa música.
Para manter atualizado sobre o que estamos fazendo ou comprar alguns materiais, temos alguns sites que possam importar:












segunda-feira, 12 de junho de 2017

Entrevista - Age of Agony (Hungria)

Excelente banda húngara de Death Metal com som calcado na velha escola europeia de Death metal e com letras muito interessantes sobre história da Hungria, confira a entrevista que fizemos com a banda Age of Agony.




Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda Age of Agony e quais são os planos para o futuro?

Age of Agony: A honra é nossa, obrigado pelo interesse em nossa banda!
Alguns meses atrás, nosso quinto álbum foi lançado, tivemos uma mudança na nossa formação e tocamos alguns festivais. Nós nos planejamos apenas para alguns meses para frente: nosso split com o Witchcraft foi lançado em novembro, nós tocaremos os shows já agendados e depois planejaremos nossos próximos passos. Normalmente, não fazemos planos de longo prazo.


Quais são suas principais influências musicais?

Age of Agony: Nossas maiores influências são, naturalmente, os álbuns da era de ouro do Death Metal. Quando éramos jovens, ouviamos alguns outros gêneros como thrash, speed e black metal, mas até hoje nossa principal influência é a velha escola do Death Metal.





Como tem sido a recepção de "For the Forgotten" mundo afora?

Age of Agony: Recebemos bons comentários de todo o mundo! O mais surpreendente para nós foi a opinião positiva do Trevor Strnad do Black Dahlia Murder em seu blog! Nós realmente não gostamos de sua música, não estamos no metal melódico moderno, mas é uma coisa absolutamente boa, que um conhecido músico mundial ainda está procurando e conhece bandas underground!
Além disso, foram feitas convites de algumas bandas e algumas distros para fazer splits, e fizemos muitas entrevistas ultimamente também.


Como tem sido a parceria com o selo "Neverhead Distro"?

Age of Agony: Terranis Productions, nossa antiga gravadora, parou de lançar música. Thomas, o chefe da Terranis, é um bom amigo nosso, ele ainda nos está apoiando, principalmente agendando shows. Nós somos muito gratos por sua ajuda!
Nós sempre quisemos um selo húngaro, então pedimos a Balázs da Neverheard se ele estaria interressado em lançar nosso próximo álbum ...
Nós o conhecemos há muito tempo, nós sabíamos, que ele tem altos padrões em relação às coisas, ele lança, e ele investe muito em promoção também. Ele lançou nosso split como já mencionado com o  Withcraft em cassete, CD e vinil.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Age of Agony: Nós principalmente escutamos os álbuns das lendárias bandas antigas, mas também há algumas bandas matadoras hoje em dias. Eles não são exclusivamente bandas da Death Metal da velha escola, mas Dead Congregation, Mgla, Voidhanger, Gruesome, Impiety, Archgoat são todas bandas incríveis, assim como Gravecrusher, Witchcraft, Dusk, Tymah e outras aqui na Hungria.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Age of Agony: Nossas letras são baseadas na história húngara, principalmente na história militar e nas guerras. O novo álbum For The Forgotten é uma linha de tempo musical (de 1914 a 1922) da Grande Guerra e as conseqüências, da perspectiva dos militares húngaros. Ele conta as histórias de soldados de diferentes hierarquias, cujas lutas e sacrifícios foram esquecidas e enterradas pelos eventos nacionais e internacionais que se seguiram à Primeira Guerra Mundial.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Age of Agony: Obrigado pela entrevista e estamos gratos a todos, que nos apoiaram de qualquer maneira! Vejo você nos shows!










sexta-feira, 9 de junho de 2017

Entrevista - Drain Life (Australia)

Banda de grindcore underground diretamente da Austrália, humor negro, insanidade e muito barulho, são os elementos utilizados para compor a sonoridade do Drain Life, confira a entrevista que fizemos com essa grande banda, que infelizmente no ano de 2017 se tornou extinta.



Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Drain Life e quais são os planos para o futuro?

Tim: Obrigado pela oportunidade! 2016 Foi um ano bastante consistente. Fizemos uma turnê australiana de 12 dias. Gravamos e lançamos um novo E.P, e tocamos com bastante regularidade localmente. Infelizmente 2016 será nosso último ano juntos como uma banda. Todos nós decidimos buscar outros interesses musicais. Por favor, siga nossa página do Drain Life para atualizações regulares em cada empreendimento musical dos membros da banda.


Quais são as suas principais influências musicais?

Tim: Influências musicais principais (sem nomear nomes) seria um monte bandas de death metal, grind e hardcore. Também muita música pop boa e coisas desse tipo. Não há segredo de que somos uma banda que adora brincar / criar grandes músicas pop. Não vejo o ponto de tocar uma capa de algo obscuro ou underground, de modo que um miserável nerd elitista na sala possa sair disso. Todos devem se divertir! 

Como foi a recepção de "Smashing the Silver Pillow" mundo afora?

Tim: Smashing the silver Pillow teve uma recepção decente. Alguns ouviram ele no youtube e tem bastantes views, o que é legal. Estou feliz com esse e.p. Definitivamente, um excelente passo para nós.




Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Tim: Algumas bandas australianas que reinam nas nossas raízes são: Hailgub, Maniaxe, Sewercide, Disparo!, The Kill, Shackles, Uncle Geezer, Powerxchuck, Obat Batuk, Coffin Birth, entre outras que eu acabei esquecendo, por que eu tenho uma memória fraca, e Dokken que é a minha banda favorita, Benjovi soa com Don Dokken.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Tim: Benjovi escreve todas as letras e títulos. Muito a ver com o abuso de drogas e álcool, sua incapacidade de obter uma ereção, Tim sendo um patético lavador de pratos de 27 anos para o resto de sua vida miserável. Toros com péssima sorte com os pássaros. Estará sempre deprimido. Na verdade, todos nesta banda são bastante deprimentes para sermos sinceros.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Tim: Obrigado pela oportunidade da entrevista! Obrigado a todos que nos apoiaram. D.I.Y 'até morrer. Stay Sick xx.










quinta-feira, 8 de junho de 2017

Entrevista - Gravered (Chile)

Acredito que ao lado do Brasil, o Chile é a maior potência sul-americana quando o assunto é Death Metal, eles tem um jeito mais imundo, podre e subterrâneo de fazer o metal da morte, nisso surge mais um grande nome desse glorioso estilo musical, confira essa grandiosa banda chamada Gravered.




Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Gravered e quais são os planos para o futuro?

Gravered: Em breve, gravar um full-length para isso temos duas musicas novas completamente em espanhol "cristo podrido" e "non cristo" continuaremos compondo mais letras que são sobre o ataque ao nazareno ataque e que manteremos a atmosfera densa que nós mostramos em nosso EP.


Quais são suas principais influências musicais?

Gravered: Gravered é uma banda que soa e tem influência sobre as fundações do Death metal da velha escola sueca e norte-americana, como bandas como Autopsy e Nihilist que vêm dos anos 80 fazendo metal e que enche-nos de inspiração para tocar um Death metal cru sujo e sem frescura !!!!



Como tem sido a recepção de "Coffins Graves and Tombs" mundo afora?

Gravered: Teve uma recepção muito boa é um death metal muito simples e direto.
Muitos bangers amam simplesmente deste estilo de death metal, faltou divulgação para outros países, mais estamos trabalhando isso para promover esta praga.


Como tem sido a parceria com o selo "Apocalyptic Productions"?

Gravered: Para mim a Apocalyptic hoje é o melhor selo underground do Chile.
Um suporte de produção real e sólida que reflete no nosso trabalho nesse ep.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Gravered: Muitas vezes gosto de ouvir death metal clássico; Nihilist, Entombed, Grave, Autopsy,  Gutted, Authorized etc. mas de hoje em dia ou mais atuais eu gosto de Entrails, Necros Christos, Grave Miasma, Disma, Denial, Bolzer, Excoriate, Venenum entre muitos outras.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Gravered: Morte simplesmente, cemitérios, túmulos, mausóleos, ódio anti-cristão da doutrina do nazareno que é falsa e estúpida.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Gravered: Obrigado pela entrevista, e saudações a todos os verdadeiros bangers que acompanham e apoiam as bandas underground reais.
para se comunicar com a gente é através dos links:

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Entrevista - Cartilage (Estados Unidos)

Grandiosa banda de Death Metal dos EUA, confira a entrevista que fizemos com essa máquina de fazer barulho chamada Cartilage.


Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Cartilage e quais são os planos para o futuro?

Adam: Obrigado por nos contactar! 2016 foi um ano sólido para a banda. Além de fazermos um monte de shows todos os meses, acabamos de gravar nosso primeiro álbum no Earhammer Studios com o sempre talentoso Greg Wilkinson em abril. Então, a partir de agora, estamos no limite da libertação. Provavelmente vamos fazer algumas turnês para divulgar o álbum esse ano!


Quais são suas principais influências musicais?

Adam: As influências principais para a banda consistem naquela velha vibe old school. Napalm Death, Carcass, Repulsion, Rotten Sound, Gorerotted, etc. Ao lado, também gostamos de ouvir Jazz, Musica Classica e Baby Metal (Mark).




Como tem sido a recepção de "It's Necrotic" mundo afora?

Adam: Bem, em primeiro lugar, devemos muito ao James da Transylvanian Tapes por seu trabalho duro em enviar nossas fitas para todo o mundo. Esta é uma grande ajuda para bandas locais "DIY" como nós, e ele não tem feito nada além de apoiar-nos. Por causa dele, bem como todos os outros grinders que nos lançam em blogspots e sites de metal, alcançamos um seguimento por todos o lados.


Como tem sido a parceria com o selo "Transylvanian Tapes"?

Adam: Nada além do melhor. James faz o seu melhor na distribuição de fitas da cena local para todo o mundo.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Cartilage: Exhausted Prayer, Burials, Logistic Slaughter, Saponification, Hemotoxin, Void Omnia, Lethargy, Human Remains, Suture, Murder Construct, Mahavishnu Orchestra, Billy Cobham, Dennis Chambers, Siege, Discordance Axis.De tempos em tempos, também escuto coletâneas de gatos que roncam e ronronam.


Quais as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Mark: Putas e Bruxaria.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Adam: Obrigado a todos os que se importam o suficiente com o nosso barulho! Fiquem atentos para o álbum que está programado para sair no final deste ano, juntamente com muitos outros shows.


CartilageDM@gmail.com
www.facebook.com/CartilageSF
https://transylvaniantapes.bandcamp.com/album/cartilage-its-necrotic












terça-feira, 6 de junho de 2017

Entrevista - Icons of Brutality (Holanda)

Do mesmo país de lendas como Pestilence, Asphyx e Sinister, surge uma grande banda chamada Icons of Brutality, que divulga seu excelente trabalho, confira a entrevista que fizemos com o Richard e o Jim.




Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Icons of Brutality e quais são os planos para o futuro?

Richard: Bem, 2016 foi um ano relativamente descontraído para nós e em vez de fazermos muitos shows, estávamos ocupados escrevendo e ensaiando novos materiais.
As novas músicas que estamos preparando neste momento são agressivas e brutais, mas com um toque atrativo e groovy.

Quais são suas principais influências musicais?

Richard: Oh, nós pagamos tributo aos mestres do Death Metal. Bandas suecas como Entombed, At the Gates, Dismember e, claro, Grave são realmente importantes para nós. Morbid Angel, Bolt Thrower, Obituary, Vader também são de grande influência em nossa banda. Mas eu também devo mencionar Carcass, Napalm Death, Terrorizer e, claro, a bandas incríveis da Holanda como Pestilence, Sinister, Asphyx e o poderoso God Dethroned e muitos mais. Além do Death Metal, há muitas bandas que são impressionantes, como Motörhead, Slayer, Dimmu Borgir, Faith no More, Anthrax e novamente mais.
E por último, mas de modo nenhum menos importante: Iron Maiden! A maior banda da história do mundo, com certeza!





Como tem sido a recepção de "Between Glory and Despair" mundo afora?

Richard: Foi uma explosão. Recebemos boas críticas e uma boa resposta geral. As pessoas realmente gostaram da crueza e da intensidade musical. Para nós, é um testemunho da nossa paixão pelo Death Metal Oldschool.


Como tem sido a parceria com o selo "Cyclone Empire"?

Jim: Cyclone Empire é o selo mais adequado para nós. Os caras que trabalham lá são realmente fanáticos e eles apoiam ícones da brutalidade da melhor maneira possível. Os caras da Cyclone Empire estão muito ligados ao death metal (oldschool). Todos os lançamentos da Cyclone são cheios de metal honesto de verdade ... Eu acho que a música nunca deve ser feita apenas por razões comerciais. Death metal deve ser mantido puro e livre de influências da moda.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Jim: Eu principalmente escuto bandas de death metal como Dismember, Entrapment, Entombed, God Macabre, Obituary, Bolt Thrower, Carnage, etc. Além disso, eu gosto muito das bandas que não são death metal. Muitas vezes eu toco discos de Paradise Lost, My Dying Bride, Iron Maiden. Eu sei que essas quase todas são nomes antigos, mas eles ainda tomam posse do meu toca discos.
Como qualquer metalhead, tento visitar os shows de metal com uma frequência regular. Os shows locais são uma ótima maneira de explorar e conhecer as bandas mais recentes. Na semana passada, participei de um pequeno festival na minha cidade natal e fiquei impressionado com o Funeral Whore. Eles tocam death metal old school de uma maneira muito agressiva e devem ser ouvidos por todos neste planeta abandonado por Deus.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Jim: As letras são escritas principalmente por Richard e eu. Não deve ser uma surpresa que elas sejam sobre temas clássicos do death metal como o suicídio, a morte, o assassinato, a guerra, o canibalismo. Eu gosto de assistir filmes de terror com muita frequência e às vezes uma citação de filme continua correndo na minha cabeça e em muitas ocasiões eu uso isso como uma inspiração para nossas músicas.
Eu pessoalmente acho que o tema lírico do Icons of Brutality  absolutamente deve acompanhar a atmosfera agressiva, ousada e mórbida de nossa música. É estranho se nossa banda fizesse letras sobre unicórnios, flores, etc.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Jim: Agradeço a você e aos seus leitores pelo interesse no Icons of Brutality. Foi um prazer fazer esta entrevista.
Quando estiverem interessados, você pode conferir os seguintes sites:


Abraço e Stay Brutal!








segunda-feira, 5 de junho de 2017

Entrevista - Red Dead (França)

Mais uma pedrada francesa comparecendo aqui no blog, confira essa banda chamada Red Dead, que é uma banda ótima esmagadora de crânios, confira a entrevista abaixo.


Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-los, como foi o ano de 2016 para a banda Red Dead?

Red Dead: Primeiramente, obrigado por esta entrevista.
No início de 2016, o Red Dead teve algumas mudanças de formação.
Depois disso, vamos fazer novas composições, novo set list e novas apresentações ao vivo alguns meses após esse período.
Em seguida, temos um excelente momento com a gravação do primeiro álbum, outros shows ao vivo, bons momentos com amigos e novas amizades com outras bandas e pessoas presentes em nossos shows.

Quais são os planos para o futuro?

Red Dead: O lançamento do novo e primeiro álbum de estúdio (a ser divulgado em nossas páginas da banda), e um excelente momento no palco com amigos e pessoas que vamos encontrar na estrada.






Quais são suas principais influências musicais?

Red Dead: Death, Death Metal Old School e alguns mais modernos, Thrash, Black, Heavy Metal, musica com peso e groove.

Quais bandas vocês tem ouvido atualmente?

Red Dead: Muitas... Death, Deicide, Morbid angel, Slayer, In Flames, Aborted, Behemoth, immolation, Asphyx, Massacre, Exodus, at the Gates, Vader, Immolation, Obituary, SFU, Anata, Blood Red Throne, Autopsy, suffocation, Nonexist, Arch enemy, hackneyed, Torture Killer, entre outras.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Red Dead: A história de Red é um personagem que é a liderança vital de suas músicas. Mergulhe em um universo de mártir da humanidade. Descubra como uma criatura híbrida entre uma entidade humana e uma figura fantasiosa vai sair de uma vida imunda e descobrir como os poderes que ele nunca imaginou o tamanho deles. Cada música é um momento de vida de Red.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Red Dead: Muito obrigado por essa entrevista, obrigado a todas as pessoas que nos apoiam e que trabalharam conosco. 

Para saber novidades da banda, acesse:

www.reddeaddeathmetal.wix.com/official


 www.facebook.com/reddeaddeathmetal


Não se esqueça de ouvir nosso álbum que está prestes a sair. 











domingo, 26 de março de 2017

Entrevista - Kommandant (Estados Unidos)

Banda não recomendada aos covardes, aos que vivem na zona de conforto da mediocridade da sociedade comum, essa banda de fortíssima sonoridade Death/Black Metal e de postura e ideologia, sem a mínima intenção de agradar ninguém, confira a entrevista que fizemos com essa grande banda americana chamada Kommandant.



Saudações Jim, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda Kommandant e quais são os planos para o futuro?

Jim: 2016 não foi muito ocupado para nós em termos de performances ao vivo, principalmente devido a estarmos ocupados com a composição e gravação de 3 diferentes lançamentos de 7 "vinil split, durante a maior parte do ano.Nós realmente preferimos não fazer turnês e criar novas músicas durante o mesmo período. O que pode funcionar para algumas bandas, mas não para nós.Nossos planos para o futuro em 2017 envolvem a criação do novo álbum do kommamdant, que será um trabalho colaborativo entre a nossa principal gravadora, a Aeternitas Tenebrarum Musicae Fundamentum da Italia e o selo americano Behold Barbarity.


Quais são suas principais influências musicais? 

Jim: Demasiadas para listar .... muitos para reclamar. Eu sou muito velho e muito frio para ser influenciado por muita coisa ultimamente.


Como tem sido a recepção de "The Architects of Extermination" mundo afora?

Jim: Acho que as pessoas certas foram receptivas a isso. Essa foi minha percepção. Não para todos. O álbum saiu mais alto do que esperávamos em termos de produção e conceituação, e para mim, pessoalmente, uma pequena vitória foi alcançada. Isso é realmente tudo o que importa para mim, pessoalmente. Eu faço isso por mim, em primeiro lugar e acima de tudo. Se os outros apreciam o produto, então é uma vitória para todos os envolvidos.


Como tem sido a parceria com o selo “Aeternitas Tenebrarum Musicae Fundamentum”?

Jim: Fantástica. Diego, o proprietário do selo, entende perfeitamente o kommandant, de conceitos para a música real .... todo o pacote. Ele nos permite uma liberdade criativa de 100%, sem absolutamente nenhuma tolerância para a censura de qualquer tipo. Estamos absolutamente felizes com a colaboração.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Jim: Eu  realmente não tenho ouvido nada de novo, então eu sou a pior pessoa para pedir uma opinião de qualquer atual, até e sobre bandas vindouras. Acho difícil localizar algo impressionante dentro de qualquer banda de metal mais recente. Eu nem sequer tento descobrir mais, porque eu sempre acabo decepcionado. Eu me encontro a reverter de volta para a música que significava algo para mim, como discos de rock progressivo  do início dos anos 70.



Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Jim: As letras são uma expressão honesta, não uma tradução direta, do meu desdém pessoal para a falta de provocação e atitude autorizada na música ..... estou tomando medidas para corrigir isso no álbum mais recente. Parece que nenhuma banda está disposta a arriscar mais .... todos estão em modo de segurança. As bandas que pensam que eles são os mais perigosos muitas vezes não são de todo mal. Cuidado com os cavalos de Tróia. NÓS somos os vossos novos líderes ... atendam à chamada.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Jim: Nossos contatos são os mesmos, muito obrigado por seu tempo. James.









quarta-feira, 22 de março de 2017

Entrevista - Rotten Filthy (Brasil)

Mais uma grande banda gaúcha marcando presença aqui no blog, dessa vez o Rotten Filthy com seu excelente Thrash/Death com excelente produção musical, eles estão divulgando seu album "Inhuman Sovereign" confira a entrevista abaixo:


Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog “Questões e Argumentos”, é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda Rotten Filthy e quais são os planos para o futuro?


Rotten Filthy: Nós que agradecemos. Tudo o que for pra fortalecer a nossa cena, pra nós é uma honra! O ano de 2016 foi o ano mais agitado pra gente, depois de um tempo nos reformulando, fizemos uma tour de 3 shows no RJ ao lado do Surra, e também um show aqui no RS, em são Leopoldo, ao lado do Patria,e outras ótimas bandas. Bom, em 2016 encerramos as divulgações e a The Inhuman Tour, que é a série de shows que estamos fazendo com um repertório baseado no nosso primeiro álbum. Já estamos escrevendo as letras, e riffs , além do conceito do nosso próximo álbum. 


Quais são suas principais influências musicais?

Rotten Filthy: O Rotten Filthy tem uma gama gigantesca de influências, que vão se afunilando até chegarem a composição da nossa música, mas em suma é algo que passeia entre Krisiun, Lamb of God e Behemoth, até coisas mais clássicas como o Iron Maiden, e o Slayer.




Como tem sido a recepção de “Inhuman Sovereign” mundo afora?

Rotten Filthy: Tem sido Surpreendente. Infelizmente a gente conseguiu perceber que o brasileiro apesar de  ser o fã mais fervoroso e ortodoxo de música extrema não se interessa tanto pelo que é feito no Brasil, quanto as pessoas de outros países, aqui no Brasil, todas as pessoas que ouviram, receberam muito bem e elogiaram bastante, o que pra nós é extremamente gratificante. Porém segundo as redes sociais, os lugares aonde mais somos acolhidos é entre o Leste Europeu e a Califórnia, lugares aonde nossas exibições no youtube e no BandCamp são mais altas.


Como tem sido a parceria com o selo “MS Metal Records”?

Rotten Filthy: Como não existe um mercado real de música extrema aqui no brasil, tanto a MS quanto também o selo que nos apoia desde o nosso EP, a Cianeto Records, tem feito um trabalho árduo pra distribuírem e divulgarem bastante o Rotten Filthy, um milhão de agradecimentos pra eles.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Rotten Filthy: Muita Literatura Fantástica, como os livros de H.P Lovecraft, misturando experiências pessoais e no novo álbum estamos colocando o pé no misticismo e na espiritualidade
( não religião, espiritualidade).
É uma fuga do lugar comum dentro do metal, com certeza a gente quer mostrar algo fora do habitual dentro do nosso âmbito lírico, e até mesmo musical, algo que vai ser extremamente evidente no próximo álbum.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Rotten Filthy: A gente ouve muito RUSH, Muito Death e Black Metal como Obituary, Cannibal Corpse, Krisiun, Suffocation, Behemoth e Dimmu Borgir entre outras tantas bandas. Também as bandas que dividem palco com a gente, além de coisas mais experimentais como Tool, Gojira, Mastodon, Animals As Leaders, Muse. Como somos 4 integrantes, acontece uma mistura muito grande de gostos e influências musicais, que como falamos antes, tentamos afunilar e adicionar de forma totalmente pessoal dentro da nossa música. Então vai desde música brasileira, música nativista gaúcha, até jazz ( eu sou grande fã de jazz) e até mesmo o Rap, e ás vezes isso pode não ficar tão evidente no ouvir, mas fica evidente na atitude, na forma de tratar o público ou de compor uma nova música.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apóiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Rotten Filthy: Agradecemos muito ao pessoal do Blog pela entrevista, agradecemos também à todo mundo que de alguma forma apoia a gente, seja indo no show, comprando merch ou até mesmo dando um like na página, obrigado mesmo, juntos a gente vai longe! Keep Rotten!

Facebook: fb.com/rottenfilthyofficial
Youtube: youtube.com/rottenfilthyofficial
Instagram: instagram.com/rottenfilthyofficial
Contato para Shows: collapseagency@gmail.com
Contato com a gente: rottenfilthyofficial@gmail.com

Pra ouvir nosso álbum: https://rottenfilthyofficial.bandcamp.com/releases